Capital de Giro e a saúde financeira da sua empresa

Homem mulher regando colhendo dinheiro

Capital de Giro, para alguns empresários, é basicamente dinheiro em caixa para pagar as contas do dia a dia da empresa. No entanto, o conceito é muito mais amplo e complexo do que esse

As atuais incertezas na economia global e no mercado financeiro são responsáveis por pressionar, cada vez mais, as empresas e suas cadeias de suprimentos, atingindo, dessa maneira, negócios de todos os nichos, e afetando, principalmente, as pequenas empresas.

De acordo com publicação de 2014 do Sebrae, a falta de planejamento prévio a respeito das finanças, incluindo mau uso do capital de giro, foi o fator responsável por levar diversas novas empresas à falência. Veja aqui alguns desses dados abaixo, que indicam, acima de tudo, quais foram as informações ignoradas pelos empreendedores:

  • 46% não sabiam o número de clientes que teriam, bem como seus hábitos de consumo;
  • 39% não compreendiam qual era o capital de giro necessário antes de abrir o negócio;
  • 38% desconheciam o número de concorrentes que teriam;
  • 55% não elaboraram um plano de negócios;
  • 42% não calcularam o nível de vendas para cobrir custos e gerar o lucro pretendido.

O gráfico abaixo mostra os valores de capital de giro dessas empresas:

grafico sebrae capital giro

Para conhecer todo o levantamento acima, acesse o site do Sebrae: bit.ly/ebooksebraeempresas

Antes de mais nada, para te dar a compreensão necessária acerca desses números mencionados, precisamos explicar o que é e como funciona o capital de giro:

Capital de giro é a quantia reservada pela equipe financeira de uma empresa, sendo destinada à sua manutenção, ou seja: pagamento de contas, provisão dos estoques e inovação de maquinário, dentre outras demandas.

Em suma, podemos afirmar que capital de giro é o termo designado para mostrar o quanto uma empresa pode disponibilizar para o pagamento das contas e cumprimento das obrigações.

Capital de giro e ativo circulante

pagamento contas mensais

A adequação do capital de giro de uma empresa depende de alguns fatores, como: setor em que ela compete, relacionamento com seus clientes e fornecedores, e ainda de outros aspectos, bem como os tipos de ativos circulantes e a rapidez com que podem ser convertidos em dinheiro.

Ativos circulantes são bens e direitos que podem ser convertidos em dinheiro a curto prazo. Ou seja: conta no banco, aplicações financeiras, contas a receber, etc.

Por exemplo, se uma empresa tem vendas muito consistentes pela internet e seus clientes pagam com cartão de crédito no momento em que fazem o pedido, uma pequena quantidade de capital de giro poderá ser o suficiente para manter a saúde financeira durante o período já estabelecido.

Ativos circulantes são compostos por:

Itens disponíveis, como: dinheiro em caixa e no banco para pagar as contas transacionais;
Clientes a receber: quantia necessária para financiar o prazo dado ao meu cliente;
Estoque: quantidade de recursos indispensáveis para manter o estoque.

Capital de giro e Passivo circulante

Passivos circulantes são as despesas e custos fixos ou previsíveis, como: contas a serem pagas, compras de mercadorias ou matéria prima, fornecedores, salários e aluguéis.

Para entender o que é passivo circulante, primeiro precisamos falar sobre o Balanço Patrimonial, que é o demonstrativo financeiro da empresa, onde estão descritos os ativos e passivos da companhia, ou seja, tanto seus bens, direitos e entradas de verba, quanto suas obrigações, dívidas e saídas de dinheiro.

Logo, temos um documento no qual encontramos toda a situação patrimonial e financeira da empresa dentro de um determinado período.

Imposto renda anual girando capital

Exemplos de passivos circulantes: 

  • Salários a serem pagos;
  • Gasto anual com o Imposto de Renda;
  • Juros a serem quitados;
  • Receitas diferidas e depósitos realizados pelos clientes.

Calculando o Capital de Giro na Prática

Fórmula cálculo recursos elementos visuais

Inicialmente, é necessário fazer um levantamento dos custos fixos, como folhas de pagamento, dívidas a serem pagas, aluguel de escritório, hospedagem de sites e ferramentas.

Após essa análise, é importante partir para a próxima etapa, que é fazer uma média dos custos variáveis, como é o caso dos gastos de produção, compra de produtos de limpeza, anúncios em redes sociais e vendas a prazo.

Fórmula do Capital de Giro Líquido
CCL = Ativo Circulante – Passivo Circulante

fórmula cálculo Fórmula cálculo recursos

Fluxo de Caixas

Fluxo de caixas é o controle das entradas e saídas no financeiro da sua empresa, podendo ser realizado mensal ou anualmente. Essa movimentação existe para que você tenha um indicador de saúde monetária – que é essencial para o seu negócio.

Com o fluxo de caixas saberemos se será necessário solicitar empréstimos no banco para tornar o seu capital de giro funcional, a fim de equilibrar seus gastos.

Em síntese, é impossível reunir todas as informações essenciais sobre o capital de giro sem ter ciência e controle do seu fluxo de caixa.

Qual é a relação entre fluxo de caixa e capital de giro?

Um fluxo de caixa mal feito pode fazer com que você nem saiba que precisará alterar o seu capital de giro. Quando essa análise não é feita corretamente, é possível que o seu o seu fluxo de caixa seja negativo, se tornando indispensável pensar em outros meios para suprir essa demanda.

A nossa dica é: entre pessimismo e otimismo, foque em um planejamento real, estratégico e funcional.

Se tiver dúvidas, nós da Empresa Jr., que há mais de 30 anos ajudamos diversos empresários nesta etapa tão importante de construção do sucesso, poderemos te acompanhar neste processo.
Clique aqui e faça o diagnóstico da sua empresa agora!

Vamos falar de otimização do Capital de Giro?

Agora que já aprendeu a fazer os cálculos necessários, conheça algumas dicas para tornar ainda mais eficiente esta prática dentro do seu negócio:

1 – Esqueça os “achismos”
Nunca tome decisões fundamentadas em teorias sem comprovação, baseie-se sempre em fatos e estatísticas. Faça pesquisas, conheça o seu fluxo de caixa e os indicadores financeiros.

2 – Não faça empréstimos com juros maiores que sua rentabilidade
Se precisar fazer um empréstimo, se atente ao valor dos juros e certifique-se que a taxa não seja maior que a renda da sua empresa, mas esta parte você já entendeu, não é?

3 – Cuidado com o pró-labore
Pró-labore é uma locução em língua latina que significa “pelo trabalho” e corresponde a remuneração do serviço realizado pelo sócio ou gerente de uma empresa.

Dentro da legislação brasileira, o pró-labore é diferente do salário, por essa razão não há uma definição fechada de valor mínimo, assim como do valor máximo. Contudo, uma boa dica para empreendedores que estão tentando estipular uma quantidade ideal, é a de se colocar na mesma situação de quando você está empregando alguém.

Por esse motivo, tome cuidado com a retirada do pró-labore. Se for necessário, reduza o valor para otimizar o lucro e aumentar o seu capital de giro.

4 – Priorize a liquidez
É importante priorizar investimentos e produtos que tragam maior liquidez para os negócios.
Leonardo Pereira, vice-presidente financeiro da companhia aérea Gol, afirmou que “todo empresário e todo investidor querem sempre o lucro, mas, para chegar lá, é preciso ter liquidez em um caixa sustentável.” O executivo ainda afirmou: “Uma coisa é certa: toda empresa que quebra tem problemas de liquidez”, enfatizando que os empresários em busca de sucesso financeiro não podem perder o foco na análise dos resultados obtidos.

Como se prevenir da insuficiência de capital

capital de giro3

Muitas vezes, quando o planejamento financeiro é feito de maneira inadequada, o empreendedor acaba granjeando a ajuda dos bancos para cobrir as dívidas do seu negócio.

Com isto, terminam perdendo dinheiro devido às altas taxas de juros e prazos apertados para o pagamento dos empréstimos.

Nesta etapa de prevenção, é fundamental controlar a inadimplência, bem como realizar a adequação e documentação de todos os processos financeiros relacionados à empresa.

Em outras palavras, se você está com o nome sujo, faça uma renegociação das dívidas a longo prazo, tendo conhecimento, a partir de agora, tanto do fluxo de caixa, quanto do ciclo financeiro (tempo entre o pagamento e recebimento das vendas).

Baixe aqui a nossa Planilha de estruturação de custos para gestão financeira

Capital de giro garante uma boa saúde financeira?
Sim e não.

Primeiramente, entenda que todas as questões relativas ao capital de giro precisam considerar a sua manutenção e análise de resultados. A princípio parece mais simples ignorar algumas das etapas preventivas e de investigação dos ganhos. Certamente seria mais rápido.

Porém, a sua empresa entraria nas estatísticas negativas sinalizadas pelo Sebrae que já apresentamos anteriormente nesse artigo. É essencial seguir as etapas estipuladas para cada estratégia a ser utilizada nas finanças da empresa, a fim de diminuir os riscos e deixá-la bem longe da falência.

Se quiser saber como fazer um planejamento financeiro e usar seu capital de Giro corretamente, faça agora um diagnóstico da sua empresa! Temos 30 anos realizando consultoria empresarial, com projetos nas três grandes áreas da administração (marketing, financeiro e organizacional). Acesse aqui o nosso Kit de Sobrevivência para Empreendedores.

Gostou deste artigo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram